Aproxima-se a estréia de HAIR em SP!

em 29/dez/2011 em Blog por Dennys Távora | 8 comentários »

Depois de uma temporada de muito sucesso no Rio de Janeiro, o musical HAIR, enfim, chega a São Paulo. Sua estréia está marcada para o dia 13 de Janeiro, no Teatro Frei Caneca.

Assisti HAIR no Rio de Janeiro em novembro de 2010 e foi paixão à primeira vista. Acabei por retornar ao Rio muitas outras vezes para rever o espetáculo que tanto havia me encantado. Ao final da temporada carioca, já havia assistido HAIR catorze vezes! Exagero? De modo algum, se forem levadas em consideração a alegria e a emoção experimentadas em cada uma das apresentações que assisti. Aceito repetir a dose com igual entusiasmo e disposição.  Não é por outra razão que aguardo ansiosamente o início da temporada paulistana

O musical, que construiu fama e marcou uma geração, estreou no circuito alternativo nova-iorquino em 1967 e alcançou a Broadway no ano seguinte. O enredo de Gerome Ragni e James Rado está centrado numa tribo de hippies de Nova York, nas personalidades de seus integrantes, nos seus dilemas e no peculiar estilo de vida deles. A trama, por sua vez, gira em torno do jovem Claude, um dos integrantes da tribo, que é convocado para a guerra do Vietnã e vive o dilema de atender ou não a convocação. No fundo, o tema central do musical é o amor. As excelentes canções de Galt MacDermot, tais como “Aquarius”, “Manchester, England”, “I got life”, “Hair”, “Good Morning, Starshine” e “Let the sunshine in” alcançaram grande sucesso, tornando-se algumas delas verdadeiros hinos populares durante as manifestações contra a guerra do Vietnã.

Em 2008, quando o musical completou 40 anos da sua estréia na Broadway, uma montagem comemorativa foi apresentada no Central Park, em Nova York. Em razão da ótima repercussão e na esteira das reações da população norte-americana à “guerra ao terror”, o antigo musical foi levado por seus produtores para a Broadway com uma roupagem nova e exuberante para conquistar o público atual. O sucesso foi estrondoso. No mesmo ano, a elogiada remontagem de HAIR concorreu a 8 prêmios “Tony Award” (o Oscar do teatro musical norte-americano), conquistando o de melhor remontagem de musical.

Apesar do grande sucesso nos palcos, não são poucos os que conheceram HAIR apenas a partir da versão cinematográfica de Milos Forman, baseada no famoso musical e lançada em 1979, que também alcançou grande sucesso e popularizou ainda mais as suas canções. O enredo e a trama do filme, porém, não seguem a exibida nos palcos em diversos aspectos. Os seus autores, inclusive, consideram o filme uma traição ao musical original. Particularmente, sem entrar em detalhes que possam ser tomados como “spoilers” do musical, ressalto que prefiro a versão teatral, que é muito mais densa e interessante.

No Brasil, a primeira montagem de HAIR, de Ademar Guerra, ficou em cartaz de 1969 a 1971 e revelou atores do quilate de Sonia Braga, Antônio Fagundes, José Wilker, Aracy Balabanian e Ney Latorraca.

A montagem brasileira atual, dos prestigiados diretores Charles Moëller e Cláudio Botelho (“A Noviça Rebelde”, “Avenida Q”, “O Despertar da Primavera”, “Gypsy”, “As bruxas de Eastwick”, dentre outros), sócios da Aventura Entretenimento, foi precedida de uma forte concorrência pela compra dos direitos de produção com outra grande empresa do ramo, cujo nome não foi revelado.

Vencida essa batalha, mais tarde, iniciou-se o difícil trabalho de versionar para o português canções que viraram clássicos, como “Aquarius” e  “Let the Sunshine In”, tarefa que ficou a cargo do competentíssimo Cláudio Botelho, responsável pela quase totalidade das versões dos grandes musicais produzidos no Brasil nos últimos dez anos.  Já existiam versões em português realizadas para a montagem brasileira de 1969, mas um novo trabalho foi feito por Cláudio Botelho. Antes da estréia de HAIR no Rio de Janeiro, por curiosidade, ouvi as versões de 1969. Quando me deparei com as novas versões, fiquei impressionado com as soluções encontradas por Cláudio Botelho, cabendo citar, dentre outras, as de “Let the Sunshine In” e “Manchester, England”. Simplesmente geniais!

A tarefa de escolha do elenco também foi árdua. Mais de 5.000 atores enviaram currículos e, depois de uma primeira seleção, 700 deles foram ouvidos em audição. O resultado de tão exaustivo trabalho foi a escolha de um jovem elenco de impressionante talento e qualidade vocal, a maioria deles desconhecida e estreante num espetáculo musical de tamanha grandeza.

Foi impossível para mim não me emocionar com a beleza dos coros, além da força e energia transmitidas do palco por aquele jovem e maravilhoso elenco.

É bem verdade que o elenco de HAIR chega com várias alterações para a temporada paulistana. A dificuldade de encontrar agenda livre num teatro em condições de receber o musical acabou por criar um indesejado intervalo entre o final da temporada carioca (1º de maio de 2011) e o início da paulistana (13 de janeiro de 2012). Algumas mudanças no elenco foram inevitáveis, mas catorze atores do elenco original, de um total de trinta, estarão em São Paulo.

Destaque para Hugo Bonemer, que já integrava o elenco original e interpreta o personagem Claude, o jovem atormentado pelo dilema de atender ou não a convocação para a guerra do Vietnã. São de arrepiar as suas interpretações das canções “Manchester, England”, “Tenho mais vida” (“I got life”), “Hair”, “Para onde eu vou?” (“Where do I go”) e “Com fome” (“The Flesh Failures”), mas é a sua expressão corporal que mais impressiona a platéia. Não darei maiores detalhes para não estragar a surpresa. Assistam e confiram.

O personagem Berger, uma espécie de líder da tribo, será interpretado por Fernando Rocha, que na temporada carioca chegou a fazê-lo algumas vezes por ser o respectivo substituto. Cheguei a assistir uma das suas substituições e posso afirmar que o fez com muita desenvoltura e competência. Quando soube que o Igor Rickli estava no elenco de “Judy Garland – O fim do Arco-íris” e não viria para a temporada de HAIR em São Paulo, torci muito para o Fernando Rocha ficar com o papel do Berger por sua dedicação e indiscutível talento. Confira Fernando Rocha como Berger, no vídeo a seguir, cantando “Donna” durante a temporada carioca.

A excelente, jovem e experiente Carol Puntel, que já atuou em grandes musicais como “O Fantasma da Ópera”, “A Noviça Rebelde” e “Cats”, continua como a idealista Sheila. Inesquecíveis são as suas interpretações de “Fácil ser cruel” (“Easy to be hard”) e “Bom dia, Estrela” (“Goog Morning, Starshine”), que sempre me emocionavam.

Fico curiosíssimo para ver a Kiara Sasso, um dos maiores nomes do teatro musical brasileiro, no papel da grávida Jeannie. Será, certamente, diferente daquela feita pela Letícia Colin na temporada carioca, mas o seu inegável talento permite aguardar agradáveis surpresas.

Outra nova integrante da tribo é Juliana Peppi, no papel de Dionne. Não a conheço, mas quem já a ouviu cantar me garante que ela está a altura da exigência vocal do papel. Quero ouvir os seus potentes agudos em “Aquarius” e “Deixa o Sol Entrar” (“Let the Sunshine in”).

Reynaldo Machado continua como Hud, um negro alto, debochado e hilário, que simplesmente arrasa ao cantar “Cara de Macaco” ( “Colored Spade“), assim como Marcel Otávio segue no papel do adorável Woof que construiu, excelente na interpretação de “Sodomia” (“Sodomy“) e ainda melhor numa outra oportunidade que ainda não revelarei, a fim de não estragar a surpresa. Ambos fantásticos!

 Davi Guilherme estará na pele da impagável Margaret Mead, que é um personagem inspirado numa antropóloga que realmente existiu, cujo nome era este mesmo. Ela estudava, dentre outros assuntos, as angústias dos jovens na passagem para a idade adulta e é considerada uma das responsáveis pelas transformações sexuais ocorridas na década de 60, sobretudo no tocante à revolução sexual feminina. Mas que fique claro: a Margaret Mead de HAIR é apenas um personagem de ficção. Danilo Timm arrancava risos da platéia e aplausos em cena aberta ao interpretá-la durante a temporada carioca. Davi Guilherme, certamente, vai construir a personagem a sua maneira, mas pelo incrível talento vocal que possui, aguardo semelhante arrebatamento. Ricardo Nunes, por sua vez, fará o personagem Hubert, que no musical é o marido de Margaret Mead.

Estrela Blanco, que já conheço de “O Despertar da Primavera”, fará a jovem Crissy. Ela já me surpreendeu ao substituir Laura Lobo e interpretar com muito brilho e competência a personagem Marta no Despertar. Acredito que tem talento suficiente para me surpreender novamente. Estou ansioso para ouvi-la cantar “Frank Mills”.

A ótima e divertidíssima Bruna Guerin permanece como mãe de Claude e Conrado Helt, também do elenco original, fará na temporada paulistana o pai de Claude. Também me agradou quando o vi neste papel durante a temporada carioca.

Como membros da tribo, permanecem no elenco a ótima Cássia Raquel, assim como os não menos talentosos Emerson Espíndola, Esdras de Lucia, Kotoe Karasawa, Mariana Gallindo, Renan Mattos e Sérgio Dalcin.

Chegam na tribo para a temporada em São Paulo os atores Bruno Kimura, Carlos Martin, Daniel Nunes, Giselle Lima, Janaína Zuba, Jennifer Nascimento, Juliana Lago, Kassius Trindade, Rooney Tuareg, Sthefanie Serrat Emery e Vanessa Costa. Alguns, já conheço de outros musicais, mas ainda não tive a oportunidade de conhecer os trabalho da maioria daqueles que entraram no elenco para a temporada paulistana. Porém, conhecia pouco ou nada de grande parte do elenco de HAIR quando assisti o musical pela primeira vez no Rio de Janeiro e passei a amar aquela tribo e cada um dos seus integrantes. Por isso, espero o novo elenco com o coração aberto, como da primeira vez que assisti o espetáculo.

Aguardem muita energia, emoções e interações dos atores com a platéia.

LET THE SUNSHINE IN!

Deixa o sol entrar em Sampa!

SERVIÇO:

Estréia dia 13 de janeiro de 2012

Temporada de 13 de janeiro a 29 de abril de 2012

Teatro Frei Caneca
Rua Frei Caneca, 569 – Shopping Frei Caneca, 6º andar
Tel: (11) 3472-2226 / 2229-2230

Quintas, às 21h. Sextas, às 21h30. Sábados, às 18h e 21h30. Domingos, às 18:00

Ingressos: R$130 (qui / sex) e R$ 160 (sáb / dom).

Vendas pela internet: www.ingressorapido.com.br

Duração do espetáculo:
130 minutos (com intervalo de 15 minutos)
Classificação etária: 14 anos

 

8 comentários para "Aproxima-se a estréia de HAIR em SP!"

  1. Suzy disse:

    Excelente seu texto com as ricas informações de quem sabe, sente e entende!
    Muito obrigada,

    Suzy

    • Dennys Távora disse:

      Eu é que tenho de agradecê-la, Suzy, por sua amizade, por sua visita, por seu comentário, por sua gentileza e pelo incentivo de sempre! Obrigado.

  2. Dois mil acessos em menos de um mês no ar?! Como você me enche de orgulho!
    Entre tantos predicados ainda é talentoso com as palavras… Lindo em todos os aspectos.
    Adorei o modo como você desenvolveu o texto sobre Hair, além de informativo, aguça a curiosidade do futuro espectador, pois, nele você também explora naturalmente a emoção que a peca lhe causou.
    Não tenho dúvidas que a temporada em Sampa será um sucesso. ;*

    • Dennys Távora disse:

      Regi, sua linda! Obrigado pelo incentivo de sempre! Você, sim, enche-me de orgulho com os seus textos envolventes, profundos e belos. As suas opiniões são sempre muito importantes para mim. Você é muito importante para mim! A sua presença aqui só faz abrilhantar este espaço. Sobre Hair, é de fato um belo musical e me marcou bastante. Traz-me boas lembranças. Também acredito que terá uma bela temporada em Sampa! Um beijo, querida!

  3. Maria de Fátima disse:

    Através desse ótimo texto, vi retratadas minhas emoções ao ver Hair, no Rio (onde fui mãe do Berger, numa das vezes…rsrsrs…) e minha expectativa para a estréia em SP. Vc disse tudo. Parabéns e que venha essa tribo maravilhoso!

    • Dennys Távora disse:

      Maria, uma das mães do Berger (rs), obrigado pelas palavras gentis! HAIR é realmente emocionante! Se consegui expressar um pouco da emoção experimentada por aqueles que assistem esse maravilhoso espetáculo, fico satisfeito e contente. Para mim, HAIR será sempre inesquecível! E vamos deixar o sol entrar em São Paulo!

      • Maria de Fátima disse:

        Oi, Dennys…qto tempo, né…então, fui ver Hair em SP, na estréia e tudo que posso dizer é…absolutamente maravilhoso, continuo amando perdidamente essa tribo linda e talentosa e me vendo ali, com 20 e poucos anos, resgatando a menina linda e corajosa que eu era!
        Fui 11 vezes e ainda irei tantas quantas eu puder…fui mãe do Berger em SP três vezes e eles (a tribo) já me chamam de “mãe do Hair”…rsrs…não só do Berger, mas do Hair…rsrsrs…imagine meu orgulho por ter tantos filhos lindos, principalmente o Hugo, que faz eu me desmanchar de emoção a cada declaração carinhosa que me faz!
        Simplesmente AMO aquela tribo e torço pelo sucesso total de cada um deles, dentro e fora dos palcos, peço a Deus que continue abençoando-os e iluminando-os!

        • Dennys Távora disse:

          Oi, Maria! HAIR merece ser mesmo ser visto e revisto pelo incrível talento dos atores, pelas músicas maravilhosas, pelas emoções que temos a oportunidade de experimentar a cada nova sessão e pela beleza do conjunto do espetáculo. É delicioso se deixar envolver pela atmosfera do musical. Também amo essa tribo! Você, como mão do HAIR, está de parabéns por ter filhos tão amáveis e talentosos! rs… Quanto ao Hugo, ele é realmente um ator maravilhoso e uma pessoa sensacional! Gosto demais dele, assim como de toda a tribo, tal qual você. Que Deus os proteja e ilumine, a fim de que possam alcançar todo o sucesso que merecem!

Deixe um comentário